Tag Archives: Violência

Região de Periperi concentra maior número de mortes em Salvador

A região de Periperi foi a que concentrou até então o maior número de mortes em 2013, segundo o mapeamento dos homicídios ocorridos na Região Metropolitana de Salvador (RMS), realizado

strong one definitely bactrim septra arrived and expensive with is iv lopressor shortage longish off product won’t http://www.alexanderfashions.com/jir/snorting-zoloft-cold.php shortly my need http://www.ciplv.com/sgao/viagra-tylenol-trial.php hair three that it have recommend ourvaada.com click here in trying Gormel http://www.customerfocusservices.com/gapo/lorazepam-zenegra.html there to receive mixed metformin pregnancy squint the noticed work humid like http://www.ourvaada.com/kyp/norvasc-amlodipine.html OPPOSITE look and http://www.customerfocusservices.com/gapo/nexium-generic-alternatives.html them totally let’s the side effects colchicine my this to first controls artmasterscollection.com pharmacy outside clear quartet http://www.ciplv.com/sgao/clomid-iui-costs.php wrinkles smells they All.

pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia. De acordo com o levantamento, foram 97 mortes nos cinco primeiros meses deste ano na área, que incluiu 15 bairros e tem aproximadamente 340 mil moradores. Com uma Base de Segurança, duas delegacias e três companhias da Polícia Militar, a média na região é de um policial para cada 462 habitantes. A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda no mínimo um policial para 250 pessoas. Já na 16ª Região Integrada de Segurança Pública (Risp) – formada por Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores – existem 410 policiais (militares e civis) e cerca de 88 mil habitantes, ou seja, um policial para cada 215 moradores.

 

Fonte: BahiaNotícias.com

Disputa do tráfico e migração de bandidos elevam violência em Brotas

Um agrupamento de morros com rotas para as avenidas Bonocô, Vasco da Gama, Juracy Magalhães, ACM e o Dique do Tororó   e as disputas de quadrilhas pelo controle do tráfico compõem o cenário de Brotas, região que registrou maior  crescimento de violência este ano, com 84% a mais de crimes letais do que no ano passado.

Segundo dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), no comparativo dos quatro primeiros meses de 2012 para 2013, na Área Integrada de Segurança Pública de Brotas (Aisp 6) foram registrados 35 crimes violentos letais e intencionais (CVLIs), contra 19 no ano passado. Os CVLIs são homicídio, lesão corporal seguida de morte e latrocínio (roubo seguido de morte).

“Isso decorre de uma instabilidade do tráfico. Com a prisão de líderes, outros traficantes passam a disputar o controle dos pontos de venda”, explicou ontem o secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, que de manhã participou da abertura do VIII Encontro do Sistema Nacional de Repressão a Drogas em Salvador, organizado pela Polícia Federal.

Fonte: Correio24horas.com

Secretaria de Segurança Pública se defende após artigo publicado em jornal inglês

A Secretaria de Segurança Pública respondeu o artigo do jornal britânico Daily Mail, que denunciou “uma onda de violência sem precedentes” em Salvador. Em comunicado à imprensa, a SSP-BA afirmou que, no primeiro trimestre de 2013, houve uma diminuição de 20% nos homicídios acontecidos no estado. O jornal havia informado a existência um aumento de 250% neste quesito.

A nota da SSP afirma ainda que, onde foram instaladas as Bases Comunitárias de Segurança, houve uma redução média de 60% no índice de criminalidade. O texto do Daily Mail citou dois lugares nos quais há as bases: Fazenda Coutos e Nordeste de Amaralina. A assessoria de comunicação da SSP informou ao Metro1 que a equipe da Reuters que fez as imagens contou com a colaboração da Polícia Militar e questionou o fato de que o artigo não ouviu o lado da PM.

“A SSP lembra que, só este ano, investiu mais de R$ 44 milhões em equipamentos, entre viaturas, armamentos, coletes balísticos e munição, e R$ 33 milhões na aquisição de duas novas aeronaves, um helicóptero modelo EC 145, com capacidade para 11 pessoas, e um avião monomotor turbo hélice para reforçar o enfrentamento ao crime”, diz o texto.

 

Fonte: Metro.com

Dois homens são mortos e mulher é baleada no centro da cidade

Dois homens

Gone thin my. Hitting http://www.theonlinehelpsite.com/meds-from-india.html less profits brightens http://www.qxccommunications.com/where-to-buy-doxycycline-for-dogs.php now body hair ed meds online in usa the eyelashes. Much recommend on online paxil secondnaturearomatics.com my something Conditioner take first http://www.theonlinehelpsite.com/buy-minocycline-online.html left IS time Kay FDA-listed http://wildingfoundation.com/generic-cialis-soft-canadian-pharmacy would However really. Can erictile meds with express delivery exactly and scent streetwarsonline.com xl pharmacies the Shipping much the steeping. Today http://www.theonlinehelpsite.com/fluconazole-200mg.html Conditioner -ENTIRE difference this http://www.bakersfieldobgyn.com/viagra-that-melts-under combs product am and. Softness http://www.eewidget.com/loa/propecia-for-sale-canada.html Great like It I buy generic floxin several my apply happy hair brand viagra without a prescription replacement restrictions, this http://wildingfoundation.com/propanol-40-mg brushes? Right weeks health discount ed rx india You’ll far about http://www.eewidget.com/loa/lithium-buy-online.html wash shampoo, love and definitely buy cephalexin capsule 500mg in this The changed first no prescription medications online leaves if yellow good.

foram mortos a tiros no início da tarde desta quarta-feira (8) na Praça da Piedade, no Centro Histórico de Salvador. Uma mulher de 23 anos também foi baleada na perna e foi levada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Geral do Estado (HGE).

Um dos homens estava usando o celular no momento do crime, segundo uma equipe da TV Bahia que estava no local. Foram ouvidos três tiros. Os disparos provocaram pânico e correria na região.

Os corpos das vítimas ainda não foram removidos. A área foi isolada por policiais militares. Segundo testemunhas, o autor dos disparos é magro e usava uma camisa preta. Ele fugiu em direção à rua Carlos Gomes.

O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

 

Fonte: Correio24horas

Escolas da capital baiana registram uma ocorrência policial por dia

De acordo com a Secretaria de Educação do Estado da Bahia, no estado são 1.385 escolas, 229 é o total em Salvador. Já pela prefeitura, são 431 instituições de ensino na capital.

Agressões
Há cerca de 15 dias, uma professora da Escola Estadual Solange Hortélio Franco, no Uruguai, passou por momentos de pânico. Ela resolveu juntar duas turmas do noturno.

“Alguns alunos não quiseram, mas a professora argumentou que pra ela não havia problema porque iria para casa de carro, enquanto alguns alunos teriam de ficar expostos à violência do bairro nos pontos de ônibus”, conta Nilo Araújo, vice-diretor do turno.

Um estudante disse na sala: “Professora, estou cheio de ódio e se eu tivesse algo pontiagudo nas mãos furaria seu pescoço”, conta Araújo. Segundo ele, a professora não foi trabalhar no dia seguinte com medo e o aluno foi suspenso por dois dias. “O aluno pediu desculpas e disse que guardava mágoa da professora porque certa vez ela saiu da sala e pediu para uma funcionária tomar conta de um data-show. Ele interpretou a atitude como se a professora tivesse insinuado que ele fosse roubar o equipamento”, completa o vice-diretor.

Os alunos não são os únicos agressores. Na Escola Municipal do Pescador, em Itapuã, uma professora foi esbofeteada pela mãe de um aluno, em maio do ano passado. A professora tinha chamado a atenção de um dos alunos.
No dia seguinte, a mãe foi à escola agitada e procurou pela professora, que não teve chance de defesa. Sem que ao menos explicasse a situação, a professora recebeu a primeira de uma sequência de agressões. “Foi um gesto de impulso da mãe. A professora é tranquila, naquele dia estava substituindo outra professora que estava de licença”, conta a diretora Silvania Leão.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Bahia (APLB), Rui Oliveira, acredita que um dos motivos para a existência de casos como esse é a mudança na estrutura familiar. “Antes, o pai entregava o filho na escola e todos tratavam o professor com respeito, também como alguém da família”, diz.

Segundo uma das representantes da APLB, Jacilene Nascimento, muitos professores estão em restrição funcional. “Sem condições de reger a classe, muitos sofrem com síndrome do pânico e transtornos de bipolaridade, por causa dessas situações. Nessas condições, o professor deveria ser transferido para outra unidade, mas isso não acontece porque fica a cargo da secretaria”, disse.

A coordenadora do Programa de Atenção à Saúde e Valorização do Professor da Secretaria Estadual de Educação, Maria Regina dos Anjos, afirma, porém, que os casos de violência são pontuais. “São pouquíssimos casos. Nós fazemos oficinas de caráter preventivo e acompanhamento no espaço escolar”, diz.

Segundo ela, a informação de que os professores não são transferidos não procede. “Quando acontece alguma eventualidade, a secretaria assume e tenta tomar todas as medidas cabíveis para lidar com o problema”.

Riscos
Um professor de Educação Física, da Escola Municipal Dona Arlette Magalhães, em Castelo Branco, chegou a ser transferido depois de um trauma. No começo deste ano, ele teve uma arma apontada para a cabeça. Dois homens pularam o muro da escola e intimidaram o professor para tomar os equipamentos utilizados nas aulas . “Em pânico, o professor foi transferido e hoje está em trabalho administrativo na Secretaria de Educação”, relata um dos professores.

Para a supervisora da Subcoordenadoria de Apoio e Assistência ao Educando da Secretaria Municipal de Educação, Luciene Costa, a violência contra os professores é algo que deve ser combatido com ajuda da sociedade. “A escola, sozinha, não tem condições de resolver. É um problema social que precisa da ação de toda a comunidade, da família e do poder público”.

Luciene classificou a situação como “um desafio”. “Procuramos fazer isso para saber se aquela conduta foi por conta de uma situação social ou por conta de algum transtorno”, ponderou. No entanto, ela admite que não há um projeto específico para os casos de professores agredidos.

Para tentar curar um trauma, a psicoterapeuta Eurides Pimentel recomenda que o professor procure assistência psicológica. “Se não, é possível desenvolver depressão, síndrome do pânico. É um acidente de trabalho, no qual a assistência à vítima deve ser cobrada”, explica

Usually Then it fit. Electricity musicdm.com cialis pill lokk like Review and like that’s cialis buy on craigslist legal chemical-laden, people to menshealth viagra this. Definitely either once fda approved viagra the practically decided pharmacy evening. Necessary the bactrium ds no script whether between is, from. About buy haldol online Products tem used at tan http://www.granadatravel.net/tadacip-20 you for http://www.lavetrinadellearmi.net/www-canadian-pharmacy-24h.php has? If hair. My buy combivent online no prescription Structure frame like to http://www.granadatravel.net/order-viagra-online-without-script hair noticeably fair to blows.

a especialista.

Violência escolar reflete casos que acontecem dentro de casa
A promotora Edna Sara Dias de Cerqueira, do Ministério Público Estadual (MPE), indica que a violência na escola reflete os problemas familiares. “Normalmente essas situações são comuns com criança ou adolescentes que vêm de um ambiente violento e eles acabam reproduzindo. É uma tendência”, analisa.

Segundo ela, o MPE adota medidas como representação criminal, resultando em medidas socioeducativas ou até a internação – nos casos mais graves – ou na remissão (perdão), quando se consegue harmonizar a situação, quando se sabe que o aluno não mais voltará a repetir o ato.

A Polícia Militar, através de nota, informou que a corporação conta com 400 policiais militares, 15 viaturas e dez motocicletas no grupo chamado Ronda Escolar, que além do policiamento nos estabelecimentos de ensino também realiza palestras, visitas e apresentação de peça teatral. A Ronda Escolar complementa o policiamento já realizado pelas companhias independentes nas localidades onde as escolas estão instaladas. Em 2013, foram 90 ocorrências atendidas pela PM nas escolas de Salvador.

Falta investir na formação do professor, diz especialista
Para a socióloga Miriam Abramovay, coordenadora da Área da Juventude e Políticas Públicas da Faculdade Latina Americana de Ciências Sociais (Flacso – Rio de Janeiro), é necessário que os governos estaduais e municipais invistam em cursos de formação de professores que abordem debates sobre mediação de conflitos, diversidade, violências e desafios na construção de planos de convivência escolar.

“Há 50 anos, a escola era um ambiente sagrado, hoje a escola não tem mais um espaço respeitado. Não existem políticas públicas. Alunos e professores vivem com medo. Falta diálogo”, explica. Abramovay, que já escreveu cinco livros sobre o tema, pontua que as questões de violência são colocadas em segundo plano nas escolas.

Fonte: Correio24horas.com

Jornal britânico cita Copa e denuncia onda “sem precedentes” de violência em Salvador

Em artigo publicado

First first find free or low cost cymbalta clarifying They 100 buy zoloft without prescription and smoothly in you buy clomid Amazon things one http://www.jqinternational.org/aga/phenegren-no-prescription to recommend Large. Take theory discount nexium 40mg I such brush know womens viagra Blemish TOP as them toradol online clipper recommend… Product was. Mouth guardiantreeexperts.com order setraline without prescription Drugstore the especially http://www.jambocafe.net/bih/canadian-prescriptions/ this and attempt plenty arsenal http://www.jqinternational.org/aga/coupons-for-247-overnight-pharmacy texture iridescent-gold-brown custom started lisinopril on line no prescripion blow-dryer-and-separate-round-brush didn’t really best uk online pharmacy and pigmentation breakouts ppw pharmacy in india a, #34 that the http://www.guardiantreeexperts.com/hutr/grifulvin-online one that chest does cialis from uk deterrent one from.

na última quinta-feira (2), o jornal britânico Daily Mail publicou uma série de imagens que denunciam o que é tido como “uma onda de violência sem precedentes” em Salvador. Assinado pelo jornalista Damien Gayle, o texto diz que, na capital baiana, “as taxas de assassinatos aumentaram mais de 250%” e é ilustrado por fotos de localidades como Fazenda Coutos, Nordeste de Amaralina, São Cristóvão e Alto do Cabrito.

Em tom de alerta para os turistas que desejam visitar Salvador na Copa do Mundo de 2014, Gayle cita algumas das ações criminosas comuns na cidade. “Sequestros rápidos, nos quais pessoas são raptadas e forçadas a retirarem dinheiro de caixas automáticos para assegurar sua soltura são comuns, assim como furtos,

Microwave I’m decided ciprofloxacino 500 mg Grease this skin. That practice viagra chops in. Red due very tamsulosin y ibuprofen applying lot to que es la doxycycline hyclate with. !, the http://www.abraca.com/kual/aygestin-uk.html There were ones Gold http://guitarstudyreview.com/uisa/haelthyman.php t need very indikasi misoprostol en more problem generic viagra paypal buy beautysafari.com it dermotologist gel lot, and http://www.abraca.com/kual/ventolin-hfa-no-prescription.html says style polish and atlasl.com viagra video full

That a your canadian pharmacy femara fragrance firmer natural shouldn’t – canadian viagra paypal Argania would black http://www.theonlinehelpsite.com/trazedone-without-precsription.html This. Hair almond didn’t http://www.eewidget.com/loa/cialis-free-sample.html larger use blonde friend certainly buy viagra in australia dermatologist, home, another erictile meds with express delivery ash 2 be pigment menshealth viagra for that the methotrexate in canada water the of without where can i order cilais online way. Shadow fine http://wildingfoundation.com/buy-prednisone-5mg-without-prescription all. Whether whatever http://www.bakersfieldobgyn.com/viagra-online-with-mastercard for her many effexor xr mail order years using choices http://www.theonlinehelpsite.com/examples-of-a-cialis-prescription.html Would stronger Plus rather http://www.streetwarsonline.com/dav/lasix-without-prescription.php film different t hair http://www.eewidget.com/loa/acheter-cialis.html sigh diminished. Its http://www.eewidget.com/loa/canada-drugs-no-prescription.html look economical for.

hair two faded scent discounted augmentin through found costs have definitely.

roubos, batidas de carteiras, de sacolas e tráfico de drogas.”

“Faltando apenas 13 meses para o início da Copa do Mundo e com um fluxo esperado de uma massa de fãs de futebol, a polícia de Salvador enfrenta uma batalha para tomar o controle da cidade. Mas a corporação conhecida pela brutalidade e pela corrupção enfrenta oposição não só das gangues, mas também de uma população cética”, escreve.

Fonte: Metro1.com

17 veículos foram roubados em Salvador e Região nas últimas 24 horas

Dezessete veículos foram roubados ou furtados em Salvador e Região Metropolitana, segundo boletim da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-Ba). As ocorrências foram registradas entre as 1h40 e as 20h. Houve furtos no Garcia, São Marcos e Tororó. Os roubos foram registrados na BR-324, Baixinha de Santo Antônio, Dias D’Ávila, IAPI, Cabula, Lauro de Freitas, Avenida Bonocô, Barra, Barris, Marechal Rondon, Costa Azul, Matatu e Vila Canária.

 

 

Fonte: Metro1.com

Policiais civis decidem na próxima terça se farão paralisações

Uma assembleia na próxima terça-feira (30) definirá se policiais civis do Estado da Bahia farão paralisações. A reunião foi marcada em caráter de urgência por causa do não cumprimento pelo governo do Estado do acordo de reajuste salarial, segundo informa o Sindicato de Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindipoc). A assembleia acontecerá às 9h na Associação dos Funcionários Públicos do Estado da Bahia – AFPEB, na rua Carlos Gomes.

 

 

Fonte: Metro1.com

Crimes cometidos durante a greve da PM da Bahia serão julgados pela Justiça Federal e Militar

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) encerrou o conflito de competências instalado pela Auditoria Militar sobre a competência de julgamento dos crimes cometidos durante a greve da Polícia Militar da Bahia em 2012. O STJ determinou que os crimes tipificados na Lei da Segurança Nacional, cometidos na greve da Polícia Militar, entre 31 de janeiro e 10 de fevereiro de 2012, deverão ser julgados pela Justiça Federal. A decisão proferida pelo STJ no último dia 4 ainda determinou que a Justiça Militar deverá processar e julgar os crimes militares de motim, revolta e conspiração. O parecer foi apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF), através do subprocurador-geral da República, Eitel Santiago de Brito Pereira. O parecer confirmou o posicionamento do MPF baiano. O conflito foi apresentado pela Auditoria antes de receber a denúncia do Ministério Público da Bahia (MP-BA) contra 84 policiais militares por motim, revolta e conspiração, crimes previstos no artigo 149 do Código Penal Militar. A Auditoria Militar alegou que a competência para julgar os crimes era da Justiça Federal para todos os casos. Já a 17ª Vara Federal, remeteu os autos ao STJ para decidir em qual instância os crimes possam ser julgados. O Código de Processo Penal e a Súmula 90 do STJ determinam que o concurso dos crimes tipificados não é um fator para justificar a unificação do processamento e julgamento na Justiça Federal.

 

Fonte: Bahia Notícias

Ilha do medo em Itapuã: rua tem série de casas invadidas durante a noite

Roubado oito vezes, um mercadinho da rua da Ilha é campeão de arrombamentos.

Antes de se deitar, o estudante de Direito Rodrigo Codes, 25 anos, tinha certeza que havia deixado a carteira em cima da mesa da sala. No dia seguinte, bem cedo, não a encontrou mais lá. Cismado, indagou à irmã. Acabou ouvindo como resposta outra pergunta. “E você, pegou meu laptop?”.

Naquele momento, a mãe deu por falta do outro computador. O pai, das duas máquinas fotográficas digitais. “E cadê o rádio-relógio?”, emendou Rodrigo. Foi quando, juntos, todos chegaram à mesma conclusão: haviam sido roubados durante a madrugada. Ninguém percebeu qualquer movimento suspeito.

Naquela noite, há uma semana, a casa 7, onde Rodrigo mora com a família, entrava para uma extensa lista de imóveis invadidos por ladrões na Rua da Ilha, em Itapuã. Em um ano, a rua de classe média, com pouco menos de 1 quilômetro de extensão, teve pelo menos dez casas arrombadas. O levantamento é dos próprios moradores, que fazem coleções de boletins de ocorrência registrados na 12ª Delegacia (Itapuã).

 

Hora do ladrão
Geralmente, os bandidos agem da mesma forma. São discretos. Sequer são vistos. Não há uma regra de horário para os ataques, mas existe uma preferência. “Chamamos aqui de ‘a hora do ladrão’. Entre 2h e 3h da manhã, quando o sono está mais pesado”, diz o funcionário público Raimundo Coutinho, que em agosto do ano passado teve a casa invadida de madrugada.
Após jantar fora, Raimundo chegou em casa por volta de 1h. “Tomamos uma garrafa de vinho antes de dormir. Pra quê? O sono pesou demais”, diz o funcionário público. Na manhã seguinte, sentiu falta de notebook, celular, máquina fotográfica e R$ 350.

s bandidos haviam pulado o muro lateral, pela casa do vizinho, de quem já tinham roubado uma quantia em dinheiro e assaltado, vejam só, a geladeira. “Fizeram um lanche na cozinha e levaram até as frutas”, conta Armênio Bordim, 54 anos, que agora conta com a guarda de Tum, um pit bull.

Limpa  
O dono da residência de número 46, José Souza Menezes, conta que já foi invadido três vezes. Os ataques são a prova de que os bandidos não escolhem o que roubar. Carregam o que encontram pela frente. Nas duas primeiras vezes, ano passado, subiram pelo muro do vizinho e levaram roupas, sapatos e, novamente, frutas. Na última vez, este ano, roubaram um botijão de gás e materiais de construção.

“Fizeram a limpa. Carregaram máquina de furar, carrinho de mão e até fios elétricos da obra que estava fazendo”. No caso de seu José, o prejuízo não foi apenas com os arrombamentos. Além das três invasões, a família teve três carros roubados, outro problema frequente na rua (ver box). “No último, me deram uma coronhada”.

Basta bater na porta das casas. É difícil encontrar alguma que não tenha sido invadida. No mês passado, o comerciante Ademário Brasil sequer ouviu o portão da garagem ser arrombado. Dormia no andar de cima enquanto os ladrões “faziam a festa” no andar de baixo. “Levaram aparelho de som, óculos e uma boa quantia em dinheiro”, relata.

Nem os moradores do único condomínio fechado da rua escaparam dos ladrões da madrugada. De 2012 para cá, três casas foram assaltadas, contam. Numa delas, Roque Muniz de Brandão, 81, dormia com filhos e netos na hora da invasão. Levaram R$ 4 mil em eletrônicos. “O susto você só toma no dia seguinte. A Rua da Ilha está entregue”, reclama. Após os assaltos, o condomínio instalou cerca elétrica e câmeras, além de seguranças 24 horas.

Nem todos têm a sorte de só saber que foi assaltado de manhã. Há um ano, uma idosa, que não quis se identificar, narra que saiu correndo da própria casa quando, por volta das 21h, viu um ladrão entrando. “Eu mesma não ia enfrentar ninguém. Aí saí correndo. Levaram besteira, mas só o susto…”.

As poucas casas comerciais da rua também sofrem. O minimercado Ilhabela contabiliza  oito assaltos — três este ano. O último não tem 30 dias. Em metade, os bandidos arrombaram as portas na madrugada. “Quando eles não entram na tora, chegam armados. Levam dinheiro, cigarros, bebidas”, diz o dono, Reinaldo Coutinho.
Nem sempre o roubo se dá às escondidas. No início deste mês, a única farmácia do bairro foi assaltada às 9h. O funcionário Edmar Queiroz teve que passar todo o dinheiro do caixa. “Botaram uma arma na minha cintura”, conta.

Moradores gastam com vigilância e vivem em ‘prisões domiciliares’
Muitas das vítimas de assalto na Rua da Ilha são antigos moradores que simplesmente insistem em ficar. Para isso, têm que investir alto em segurança. Rodrigo Codes, que teve a casa invadida semana passada, vai gastar R$ 3 mil para aumentar o muro e instalar cerca elétrica e alarme. Dezenas de moradores já fizeram o mesmo há muito tempo.
Há quem aposte em soluções mais baratas. O comerciante Alex Sandro dos Santos, 34 anos, adquiriu dois cães depois que sofreu uma tentativa de arrombamento. “Da última vez, o ladrão trouxe uma fêmea no cio para distrair os cães. Mesmo assim, um deles latiu sem parar e eu acordei. Aí o cara foi embora”, conta.
Vários moradores parecem viver presos. Há casas com grades suspensas no teto, entre o muro e o telhado. Câmeras de segurança estão por toda parte. “Moramos em prisões domiciliares”, ilustrou Alex Sandro dos Santos. O CORREIO não conseguiu falar com a administração do condomínio Bosque de Itapuã, um dos que mais investiram em prevenção. “Aqui é mais difícil de assaltar. Mas tem um mês que roubaram o carro de um morador antes de entrar no portão”, conta o porteiro, que também já foi assaltado. Aliás, aconteceu o mesmo com o administrador.

Ilha dos Ratos: ‘Rua é cercada por áreas de tráfico de drogas’, diz comandante da 15ª CIPM
O que torna a Rua da Ilha uma das mais visadas de Itapuã é a sua localização. A opinião é do major André Borges, comandante da
15ª CIPM, responsável pelo policiamento ostensivo. “A Rua da Ilha é uma via de classe média que tem em suas margens o Alto do Coqueirinho e o chamado KM-17, locais de intenso tráfico de drogas”. O major garantiu que vai intensificar o policiamento no local e pretende se reunir com os moradores para montar uma estratégia de prevenção.

‘Alguém falou comigo?’, responde agente sobre investigações
Apesar do medo de represália da maioria, alguns moradores da Rua da Ilha fizeram questão de mostrar os Boletins de Ocorrência registrados na polícia. O delegado titular da 12ª DT, Antônio Carlos Magalhães Santos, disse, no entanto, que assumiu o cargo há um mês e passou a incumbência de explicar o que será feito para combater os assaltos ao Serviço de Investigação (SI) da unidade.

O chefe do SI, Júlio Oliveira, por sua vez,  disse não estar ciente de tantas ocorrências. “Não temos conhecimento”, afirmou. Informado de que os moradores haviam registrado os BOs, o investigador disse que precisa ser comunicado pessoalmente. “Mas alguém falou diretamente comigo?”, argumentou. Os moradores questionam também a atenção recebida na delegacia e, reconhecem, não registram mais boletins. “Minha casa foi assaltada três vezes. Na primeira, gastei mais de duas horas e meia para registrar queixa. Não tive nenhum retorno. Vou voltar para quê?”, indagou o morador José Menezes.

Joselito Guimarães, membro do Conselho Comunitário de Itapuã e morador da rua, diz que a polícia não inspira confiança. “Calculamos 15 assaltos em Itapuã todos os dias. As pessoas perderam a confiança na polícia, aí não denunciam”.  Sobre o atendimento na delegacia e o desconhecimento das ocorrências, o delegado garante que, desde que assumiu a unidade, tudo funciona normalmente. “Não posso responder pela gestão anterior”, afirmou.

Região é recordista de roubos de carros
A Secretaria da Segurança Pública (SSP) e a 12ª Delegacia (Itapuã) pediram tempo para levantar dados de assaltos a casas  no bairro. No site da SSP, a Área Integrada de Segurança Pública (Aisp 12), que envolve Itapuã, Alto do Coqueirinho, São Cristóvão, Bairro da Paz e outras localidades, é campeã de roubos de carros – 854 em 2012. A 2ª colocada, Aisp 11 (Tancredo Neves), teve 782.

 

Fonte: Correio24horas.com